Loading...

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Pequeno perfil de cidadão comum


A vida nos presenteia sempre com mais um cidadão comum que bebe sua cerveja, gosta de futebol, escuta um "Rock" e fala de coisas sem sentido, frases perdidas de filmes ou trechos de livros, acredita de certa forma em Deus e em todas aquelas criações invisíveis do homem,que para se sentir menos solitário no final escreve livros e conta histórias, acredita que nasceu um critico musical, pronto para exaltar os Deuses da musica, intocáveis, irreproduzíveis e imperdoáveis. Esse Cidadão comum que a muito sonha que atingiu o píncaro da vida virtual construiu seu império a partir dessa ironia pré-moldada e simplória, que borbulha em muitos textos do grande sacolão virtual(Twitter, Blog dentre outras maravilhas). Enquanto essa incapacidade é preenchida por todos os caracteres que lhe faz jus,ele se esbalda em sua poltrona banhada por um orgulho de rei de um império vazio, jamais ira se dar a vida e sempre se recusara a participar do espetáculo fascinante que é cheio de musgo, esgoto, poesia e elefantes; aqui ele vai permanecer.A uma certa tendência em meus textos que posso intitular de filosofante, seria eu anarquista de alma serena ou um espectro de cidadão comum que acordou com um espírito inquieto e fervilhante?. Se a verdade é incomoda e o tempo é quando, prefiro continuar com alma anarquista, corpo franzino e com pensamentos que caçam pessoas, do que me chafurdar em entorpecidos sentidos que modulados pervertem nossos desejos, atolar-se em vícios já não é mais uma fuga pertinente, é sempre preciso manter o controle para não sair correndo para qualquer lugar, fugindo de qualquer coisa. Enquanto isso nosso pequeno cidadão de perfil comum, prepara sua mais nova artilharia, regada a muito humor e comentários fofos tão macios que cedem facilmente a pressão, não há verdade e nem vontade em sua palavras, há apenas resquícios de maculadas inclinações, uma busca incessante por afeição e um sonho delirante de atenção. Será que é isso que nós precisamos?.Será que é isso que eles precisam?. Eu vou escolher todos os olhos que irei olhar, ainda acredito que tenho esse poder de escolha, irei escutar sons que agradam ou não meus ouvidos, um infeliz que vai de tonto, buscar todas comemorações fantasnticas dançar no meio desse vertice supremo do descaso. O homem não era necessário, mas ao revez ele existe, transforma , brinca com a lógica, é social, luta por uma colocação moral, balbuceia sobre estética, pisa leve e caminha entre seus tumulos ou berços, e deixa seus corações simples esperançosos de jamais encontrar a face da morte.Você ainda pode desejar que tudo fique errado, e tudo fique sem resgate, eu ainda estou fora, vou ficar fora, acordado e sempre esperando

Um comentário: